Blog Inventiva

Como os ativos cosméticos penetram em nossa pele?

March 04, 2016 10h00 por Renata Platcheck Raffin

Os ativos que estão nas fórmulas de cosméticos, podem sim penetrar na nossa pele. Mas você sabe como eles conseguem fazer isso?

Primeiramente vamos entender um pouco mais sobre a pele.

A pele é o maior órgão do corpo humano e possui as seguintes funções:

  1. Proteção contra a entrada de agentes externos
  2. Prevenção da perda de água pelas camadas da pele
  3. Manutenção da homeostase interna (manutenção de condição estável)
  4. Funções sensoriais, imunológicas, de metabolismo, síntese e deposição de substâncias.

Ela é composta por três camadas: a epiderme, a derme e a hipoderme. A epiderme é constituída ainda por 4 camadas de células, chamadas basal, granulosa, espinhosa e córnea (a mais externa), classificadas pelos tipos de células que cada uma possui. Cada camada da pele possui estrutura e componentes diferentes que influenciam a permeação de substâncias. Essa estrutura forma uma barreira heterogênea notavelmente eficiente, pois dificulta a penetração de agentes terapêuticos e cosméticos.

Os mecanismos de permeação na pele são:

1-   Via transfolicular, penetrando no folículo piloso (ou pelo) e após se distribuindo nas camadas da epiderme. O pelo funciona como reservatório dos ativos.

2-   Permeação transcelular, quando atravessa diretamente através do estrato córneo e a matriz intracelular lipídica – por dentro das células. 

3-  Permeação intercelular, quando os ativos passam entre as células da epiderme. 

 

O conhecimento dos mecanismos de penetração de substâncias aplicadas topicamente é de fundamental importância no desenvolvimento de cosméticos mais eficazes. Entretanto, a penetração de ativos de formulações convencionais ainda representa um desafio aos pesquisadores da área. Produtos antienvelhecimento são um exemplo desta limitação, pois os ativos nestas formulações devem agir nas camadas mais profundas da pele, especialmente na camada basal da epiderme, onde as células são diariamente renovadas e o efeito rejuvenescedor é mais eficaz.

A penetração de ativos é um fator muito importante em cosméticos e, por isso, deve ser controlado. Uma penetração insuficiente não gera efeitos, tornando a formulação ineficaz. Já uma penetração excessiva pode gerar a absorção sistêmica do ativo e assim causar efeitos sistêmicos.

A penetração de ativos na pele depende de uma série de fatores como raça (caucasianos possuem a pele mais permeável), idade e local do corpo (palma das mãos é a área menos permeável), estado da pele (íntegra ou danificada), hidratação da pele (pele mais hidratada é mais permeável) e características próprias do ativo e do veiculo.

Com o advento da nanotecnologia, alguns desses problemas estão sendo gradativamente resolvidos, uma vez que ativos nanoestruturados são de mais fácil penetração nas camadas da pele.  A entrega dos ativos cosméticos a partir das nanoestruturas pode ser otimizada em relação ao aumento do transporte através da pele, aumento da duração que o ativo permanece em contato com a pele, redução da absorção transdérmica (redução de efeitos colaterais) e carreamento dos ativos a sítios específicos na pele.

Neste sentido, a escolha criteriosa de matérias-primas para nanoencapsulação de ativos cosméticos é uma alternativa empregada para modificar as propriedades físico-químicas da substância encapsulada e oferecer meios para facilitar a penetração na pele e aumentar sua eficácia.


Comentários (0)

Nenhum comentário foi feito até o momento, seja o primeiro!


AUTORAS :


Renata Platcheck Raffin
Renata Platcheck Raffin
Farmacêutica, doutora em ciências farmacêuticas, professora do curso de Nanociências e Diretora de Inovação da Inventiva.

Cândice Felippi
Cândice Felippi
Farmacêutica, mestre em ciências farmacêuticas. Diretora da Inventiva há 7 anos.